saga

saga

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

IGP-M: cuidados com a negociação de um imóvel

Oi gente,

Antes de falarmos dos projetos da casa, lembram que eu falei que tivemos um probleminha com os ajustes nas prestações do terreno? Então, muito cuidado ao negociar um imóvel... Nós caímos na lábia do corretor da imobiliária que nos garantiu que as parcelas seriam FIXAS e que quando o IGP-M (Índice Geral de Preço de Mercado) sofresse alteração, essa alteração (porcentagem) seria aplicada sobre a parcela.
Pesquisamos o tal IGP-M e na época ele estava girando em torno 0,4%. Aí pensamos: R$ 1.043,00 + 0,4% = 1.047,17... A diferença era mínima, então achamos interessante e fechamos o negócio.

O problema é que nem o vendedor e mais ninguém nos explicou que o acréscimo seria progressivo! Ou seja, no mês seguinte não seria os 1.043,00, mas sim os 1.047,17 + 0,4% e assim sucessivamente!
Aplique isso em 60 promissórias e serão arrancados os olhos da cara!!!

Nós lemos e relemos o contrato antes de assinar, mas apenas uma palavrinha, apenas UMA, em um documento de 8 páginas, sem parágrafos, espaçamento e demais formatações, que nós não demos importância, esclarecia como seria a progressão das parcelas:

[...]
Fica ajustado entre as partes que as parcelas acima referidas serão representadas por notas promissórias de mesmo valor e vencimento, emitidas pelos compradores em favor da vendedora, as quais serão corrigidas pelo índice do IGPM da Fundação Getúlio Vargas, mensal e cumulativa a partir desta data.
[...]

Podem dizer, "que mongos, está claro ali"... Mas, nós prestamos atenção em tudo o que estava descrito lá, e nesse trecho o que mais nos importou foi a parte do "notas promissórias de mesmo valor e vencimento...". Pois era isso que nos interessava e nos foi falado!

Cheguei a ir no Procon pedir orientação, mas a atendente explicou que essa negociação é bastante comum, é assim mesmo o reajuste e que não podia fazer nada porque eu não teria como provar a fala do vendendor.

Aí fizemos uma continha básica e chegamos a conclusão de que se a gente pagasse o quanto antes o terreno, menos seria aplicado o tal índice... Aí começamos a pegar TODO o nosso salário e entregar para a incorporadora e pagar de duas em duas parcelas, em dezembro, com 13°, eram quatro.

Teve mês que o IGP-M dava em 1%!! Em outros 0,04%. E eu ia rezando para o presidente Lula segurar a inflação (se ela disparasse, minhas parcelas iriam às alturas!!)...

Mas no final deu tudo certo, as parcelas terminaram em R$ 1.300,00 (que diferença né?)

Foi sofrido, mas mesmo corredo o risco foi um bom negócio, pois se comparado aos juros de um financiamento... Aff Maria!

Para saber mais, clique aqui.

Obs.: No mês de novembro-2010, o IGP-M foi de 1,45%!!! Se ainda estivéssemos pagando o terreno, estaríamos em prantos!

Beijocas!

3 comentários:

  1. Sil, eu já conhecia essa história e adoro! Acho o máximo a perseverança de vocês pra correrem atrás de um sonho, e achei muito inteligente a tática de eliminar essa dívida o mais rápido possível!

    Parabéns, amiga!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Nessas horas da vontade de ser advogado para não ser passado pra trás! Mas eu imagin que vcs fizeram o certo em tentar liquidar o quanto antes essas parcelas... foi a melhor coisa q vcs fizeram!

    ResponderExcluir
  3. A vezes nem é culpa do corretor porque a incorporadora na maioria das vezes não passa essa informação. procure sempre pedir a minuta do contrato, leia 10 vezes e pesquise

    ResponderExcluir