saga

saga

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Moradores - Pina

Oi gente!

Encerrando a série Moradores, apresentamos a Pina, nossa filha mais nova (os humanos já foram apresentados nas primeiras postagens do blog).



Ela surgiu nas nossas vidas em um momento muito triste, após o velório do Celso, irmão mais novo do maridones, que faleceu aos 26 anos em um acidente de carro em 2009, lá em Nova Aurora - PR.

Caminhando pela cidade eu e minha cunhada ouvimos um miadinho de filhote de gato no quintal de uma casa.

"Compaixonintosas" (roubando o termo do Maicon) batemos na casa e perguntamos por que aquele bebê gato estava "chorando".
A mulher explicou que uma gata havia dado cria no forro da casa dela e que aquele filhote havia caído pelo cano da calha. Mas o instinto maternal da gata não permitia ela largar os outros bebês para ir buscar o desgarrado.

Mais compaixonintosas ainda, fomos fuçar no mato do quintal da mulher. Quando encontramos o filhotinho nos derretemos... vimos aqueles dois olhinhos azuis olhando para a gente... não resistimos e levamos o gatinho para a casa da minha sogra.



Chegando lá (é óbvio que estava um clima de tristeza imenso) avisei o maridão que havia achado uma gatinha e que a levaria para Curitiba... Ele concordou.

Só que o bebê era tão bebê que não sabia comer e nem tomar leite na tigela... A solução foi improvisar fazendo uma "tetinha" de miolo de pão embebido em leite para ela "mamar". E deu certo!

Viajando para cá a gatinha não deu nenhum trabalho. Não fez sujeira e nem miou no carro.

No segundo dia, ela aprendeu a comer a tetinha de pão e leite e logo aprendeu a comer ração de latinha.

Ela era tão pequena que brincava de passar entre as alças do chinelo Havainas!
A filhotinha era bem brincalhona e se apegou muito na gente, ela escalava nossas roupas até chegar no nosso ombro! Tão bonitinha! Isso foi muito bom para dar um pouco de alegria pelo momento que o maridones estava passando.

O Denorex fez o maior escândalo quando viu a pequena invasora! Não parava de fazer aquele barulho que parece uma Ferrari acelerando... e ficava todo arrepiado. Eu achei que ele iria matar ela, mas parecia que na verdade ele tinha medo daquela coisinha.

Certo dia, o Denorex estava parado sentado abanando o rabo bem lentamente. A Pina se preparou toda para dar um bote e grudou no rabo dele (eu pensei: pronto, já era...). Ele virou e grudou nela e começou a lutar com ela, mas não era uma briga, eles estavam brincando como dois irmãozinhos! Nossa, ficamos tão felizes!!!

Depois desse dia a Pina não deu mais sossego para o Denorex. Sempre prega uns sustos nele.

(olha o Deno em cima da cadeira e a Pina querendo brincar)


Como ela não conviveu com a mãe, foi o Denorex que acabou ensinando as coisas de gato para ela. Por exemplo: ela não enterrava o cocozinho dela até eles ficarem amigos, também vivia remelenta até ver o Denorex lambendo a pata e passando na cara para limpá-la.


 
Aí veio o primeiro cio. Minha filha já era um mocinha aos 6 meses!!! (mandei castrar imediatamente).

O instinto maternal de dar banho nos filhotes se aflorou e ela começou a dar banho em todo mundo! No Denorex, no Max e até na gente. Vejam o vídeo para ver que não é mentira, a vítima era o Max, reparem na cara dele.

video

 
Como deu para perceber ela é uma gata meio tam-tam, mas tem mais:

- quando ela corre, faz um barulhinho tipo carro de F1!
- ela não pode ver um cobertor ou algo fofinho que começa a amassar com as patinhas e mamar como um filhote.
- Ela também reclama quando espirramos! Faz um barulho estranho...
- Ela tem o rabo quebrado, parece um "Z", deve ter sido na queda da calha ou de nascença (não tem conserto).
- Quando estou no chuveiro cantando, ela fica do lado de fora do box miando bem alto junto! Nos agudos da minha canção! É muito estranho!



 
Tenho certeza que quando nos mudarmos para a casa nova ela não vai querer ficar na edícula, pois é super companheira nossa. Onde a gente vai ela vai atrás, tipo: ao levar o lixo na rua, ela vai por cima do muro até o portão, e volta acompanhando nossas passadas (é tão bonitinha!).



Bom, essa é a nossa família estranha, espero que tenham gostado.

Os filhos humanos, só depois que a casa nova estiver pronta...

Beijoca!

5 comentários:

  1. Nossa, mas a Pina não é um siamês? Bom eu não entendo muito de gatos... eu imagino a Pina fazendo cara do gato do Shrek pra vcs levarem ela pra casa...

    ResponderExcluir
  2. hehehe que engraçado ela lambendo o Max e ele bem calminho! Gostei dos seus filhos!

    ResponderExcluir
  3. É sim, a Pina é sim uma siamês muito espuleta! E faz a carinha do gato do Shrek até hoje...

    ResponderExcluir
  4. Eu não sou muito chegada em gatos, mas essa tá com uma carinha tão fofa, nossa!
    Vc deveia ser veterinária Sil!
    Beso

    ResponderExcluir
  5. Que fotos lindas! E como a Pininha tá grande! Diz pra eles que a tia louca dos gatos tá mandando um beijinho! E pros dogs tbem!

    ResponderExcluir